segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O Ficheiro! (categorias)

O mês de Setembro, é um óptimo mês para dar inicio ao nosso ficheirinho... Apesar de estarmos praticamente no último trimestre do ano, sendo o inicio do ano lectivo, fresquinhos que vimos das férias... é um óptimo mês para começar!
Este tópico é igualmente importante para aqueles solteiros ou novos casalinhos que vão ter casa nova!!!  É um excelente arranque para a vossa gestão das contas da casa!
No nosso ficheiro, mais importante que a coluna com o total gasto em cada categoria, por mês, valor real, é imprescindível que se sentem e estabeleçam valores previsíveis para cada tipologia de despesa. Obviamente, ao longo do ano esta estimativa pode ser reavaliada, nomeadamente de acordo com a média de gastos realizada até esse momento.
Ora toca a pôr a mão na massa que é como quem diz... vamos a contas:
Considero que o ficheiro deverá ter 4 grandes grupos de categorias (atenção que quando digo ficheiro, digo qualquer meio que vos agrade mais, para mim um ficheiro Excel é excelente porque faz as contas automaticamente... e o meu ficheiro é fantástico!), venham elas:
Grupo I (é o meu preferido  J)  - Rendimentos
Este Grupo deverá conter uma referência ao valor real que têm na conta no inicio do mês. Tudo somado e tudo subtraído, deverá, no último dia, corresponder ao saldo da conta, de outro modo, algo não foi feito correctamente.
Depois, deverão estar elencadas todas as fontes de rendimento: Rendimento dele, rendimento dela.
Adicionalmente, deve ser possível incluir, à parte, os rendimentos extra (que são aqueles que, à partida, não deverão ser necessários para fazer face às despesas fixas). Aqui serão incluídos depósitos adicionais, extra, tipo prendas que nos dão em dinheiro, o euromilhões (era bom, não era!?!?), subsídios, etc.
Grupo II – Despesas Fixas
Aqui se incluem todas as despesas mensais ditas “normais”, eis alguns exemplos, que deverão ser adaptados, caso-a-caso:
§  Água
§  Luz
§  Gás
§  Renda da casa (quer em casa arrendada, quer a renda paga ao banco em caso de empréstimo)
§  Seguros casa (seguro de vida, sempre que não venha incluído na renda do empréstimo)
§  Seguro de saúde
§  Alimentação (basicamente será correspondente aos gastos de supermercado, não apenas alimentação propriamente dita, mas também detergentes, etc.)
§  Combustível
§  Portagens (se de carácter regular)
§  Telemóvel (para quem adoptar o sistema da mesada – ver aqui – podem optar por colocar esta categoria na carteirinha de cada um)
§  Tv. e Net
§  Empregada/engomadoria, etc.
§  Ginásio
§  Gastos filhote (creche, pediatras, etc. NB: as fraldas, por exemplo, estão incluídas em “alimentação”, pois são compradas no supermercado)
§  “Mesada” de cada um ou uma única categoria “gastos diários”
Até aqui, tudo certo?! Parece mais ou menos unânime que o ponto de partida será este, verdade? Ora a partir daqui é que vem toda a diferença, mais 2 Grupos:
Grupo III – Extras
Este grupo deverá conter 2 categorias, uma para extras normais e uma para “extras extraordinários”. Trocando por miúdos...
A categoria de extras deverá fazer face a despesas que, não sendo fixas, são normais nos vários meses. Aqui se incluem roupas, calçado necessário, prendas de aniversário, jantares e festividades, etc. E porque na verdade, todos os meses há gastos assim, quando feitas as previsões mensais, deve haver um plafond para estas despesas para não sermos apanhados de surpresa.
Por outro lado, os gastos extraordinários incluem aquelas compras que só serão feitas uma vez, mas que não têm uma categoria específica, por exemplo, uma mobília, um computador. Sendo realmente extraordinário, não é necessário contabilizar um valor nas estimativas do mês. Pelo contrário, serão compras que decorrem das vossas poupanças ou constituem um investimento adicional.
Grupo IV – Outras Despesas
Existem ainda despesas que são pagas anualmente, designadamente o seguro da casa, o seguro do carro, selo do carro e impostos como o IMI. Apesar de serem gastos anuais, é uma boa táctica diluir esta despesa nos vários meses do ano. Assim, a vossa estimativa para cada mês deverá incluir 1/12 de cada uma dessas despesas. Ou seja, para uma despesa anual de 240 Euros, deverão ter uma cobertura mensal de 20 euros. Este valor não vai realmente sair da conta, mas também não deve estar disponível para fazer face as despesas fixas e extras.
Resumo:
Total de rendimentos fixos = despesas fixas + extras + poupança
Espero que tenha sido útil! Beijinhos

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...